“O lifelong learning é a busca de conhecimento contínua, voluntária e automotivada por motivos pessoais ou profissionais.”. Assim resume a Wikipedia, de maneira simples e clara.

Vivemos na era da abundância de Informação, da evolução acelerada da Tecnologia e das conexões. Na era da incerteza, das mudanças constantes e da vulnerabilidade. E, acima de tudo, vivemos em uma era onde o autoconhecimento passa a ter maior relevância na busca da adaptação a esse novo mundo e na busca de um propósito.

Somado a isso está o fato de que vamos viver mais, muito mais do que nossos avós. Quem diria que em 1940 o brasileiro vivia em média 45,5 anos e que hoje vive 76? Vamos ter mais saúde, mais vivacidade e mais vontade de seguir produzindo, aprendendo e indo em busca da nossa felicidade.

E o que isso tem a ver com o lifelong learning? Tudo, na minha opinião.

O lifelong learning vai além do “preciso continuar estudando e me atualizando para crescer profissionalmente”. Ele é muito mais amplo do que isso, pois trabalha dentro dos 4 pilares da educação:

1. Aprender a aprender – conhecer e dominar as ferramentas de aprendizado; se preparar e estar disponível para aprender, onde estiver e com quem estiver

2. Aprender a fazer – aprender as habilidades necessárias para exercer uma função hoje, aprimorá-la de tempos em tempos e aprender a fazer coisas novas no futuro (upskilling e reskilling)

3. Aprender a conviver – se relacionar de forma harmônica respeitando as diferenças e promovendo a igualdade. Gerenciar melhor conflitos, promover a escuta ativa e a empatia, contribuindo para uma sociedade sustentável

4. Aprender a ser – investir tempo no seu desenvolvimento pessoal, na sua inteligência, mente, corpo, sensibilidade, autocuidado e felicidade

Não existem barreiras do “o que” aprender no lifelong learning. Pode ser dança, fotografia, pesca, mindfulness, alimentação saudável ou alguma competência técnica que ajudará na sua carreira atual ou futura. Conforme vamos aprendendo a aprender e aprendendo a ver o valor agregado que ele nos traz, o lifelong learning passa a ser um estilo de vida. Estilo esse que contribui tanto para o nosso desenvolvimento quanto pata a sociedade, e ainda nos traz muita satisfação pessoal.

Segundo estudos americanos, os benefícios do lifelong learning vão além dos citados acima. Ele nos ajuda a aprimorar a autoconfiança, a melhorar a memória, a enriquecer nossas habilidades e comportamentos no trabalho, aumentar a criatividade e até a habilidade de resolver de problemas.

É um processo que depende única e exclusivamente de como decidimos investir nosso tempo, mas que é, por sua vez, bastante desafiador. Ele exige coordenar o que uma pessoa gostaria de aprender, com a quantidade de informação disponível sobre esses assuntos, a verba que se tem para investir e a gestão escassa de tempo. Por isso, muitas pessoas acabam se sentindo confusas, o que as leva a começar vários cursos e processos de aprendizado, mas não conclui-los e, em outros casos, até a postergar a decisão, por não saberem por onde começar.


Então o que fazer para se tornar um lifelong learner?

Elenque muitos, mas escolha um (e apenas um) assunto de muito interesse. Faça uma curadoria de instituições de ensino, veja qual curso se encaixa melhor no seu tempo disponível e se inscreva. Durante esse curso, vão surgir novos temas de interesse e você vai poder definir se quer se aprofundar no tema ou partir para algo correlato. Preste atenção em como esse aprendizado ajuda você no trabalho, na vida pessoal e o quanto ele te traz de satisfação. Vá de pouquinho. Pense grande e comece pequeno.

Criar o gosto por aprender a aprender é definitivamente o primeiro e um grande passo.


Texto escrito por Vanessa de Paulo Lemos, desenvolvedora de soft skills para profissionais e lifelong learner.

24 visualizações0 comentário

Séculos antes de Cristo, os gregos já entendiam a complexidade do tempo. Em um esforço para contemplá-la e traduzi-la para os mortais comuns, criaram duas divinda- des para dar corpo às duas facetas do tempo: Cronos e Kairós.

Cronos é o deus do tempo que se conta. O tempo tal como o conhecemos, contado em dias e noites, que compõem anos divididos em estações nas quais se planta e se colhe. O tempo inevitável e irrevogável. Segundo a mitologia, Cronos devorava seus filhos assim que nasciam. Mas o caçula, Zeus, escapou e cresceu longe da influência paterna.

Mais tarde, Zeus voltou e fez Cronos vomitar os cinco filhos que engolira – e, ao vencer o deus do tempo, virou imortal como os irmãos. Começou o governo de Zeus sobre o mundo.

Zeus teve filhos com várias divindades e uma delas foi Tique, deusa da fortuna e da prosperidade, que lhe deu Kairós. Segundo a mitologia, Kairós era um jovem belo, com asas nos ombros e nos joelhos, ágil e atlético. Para os gregos, Kairós simbolizava o tempo que não pode ser cronometrado, que se refere aos momentos que se eternizam na memória. Um tempo livre, que não se mede em horas, dias e meses, e sim em experiências. Os gregos acreditavam que Kairós era a única divindade com potencial para derrotar o poderoso Cronos, e por isso dedicavam a ele especial apreciação.

O conflito entre esses dois tempos, Cronos e Kairós, tempo externo e interno, está na raiz

da ansiedade, a grande doença do mundo moderno. Quem não entender e não souber conjugar a dinâmica entre eles correrá um risco real de sabotar a própria vida e carreira.

Medimos o tempo há milhares de anos e o que sabemos dele? Passamos a vida divididos entre dois tempos, sem saber como conciliá-los. Afinal, o tempo de Cronos, a exemplo da divindade mitológica, é um tempo tirano, que nos persegue com seu chicote cobrando execução e pontualidade. O tempo de Kairós é o tempo que desejamos, com qualidade, realizações, felicidade; mas, como o deus que simboliza, é fugaz, volátil.

A poeta brasileira Adélia Prado foi uma que compreendeu Cronos e Kairós como antagô- nicos e escreveu: “... a memória é contrária ao tempo. Enquanto o tempo leva a vida embora como vento, a memória traz de volta o que realmente importa, eternizando momentos”.

Podemos dominar Cronos com uma agenda meticulosa e cumprida à risca, mas isso não garantirá nossa felicidade, porque ela precisa de Kairós. É nesse equilíbrio delicado que conquistamos uma vida mais feliz.

Então, o que fazer, na prática? Tudo depende de uma decisão pessoal. Assim como pensa em Cronos, você deve sempre perguntar-se: onde está seu Kairós? Como você cuida dele?

* Estes são os highlights adaptados do livro O que eu não posso deixar de fazer hoje?, de Carlos Júlio (editora Planeta).

13 visualizações0 comentário

Nesta semana em que a MUST tratou sobre gestão de tempo em nosso perfil no Instagram (@mulheresdoturismo_br), tivemos a oportunidade de investigar e buscar diversas referências sobre o tema, e nos deparamos com um livro, que nos traz já no título uma provocação : o que eu não posso deixar de fazer hoje ?

Entre tantas e tantas coisas urgentes e importantes, acabamos nos tornando “vítimas do tempo”. E assim foi como o Professor Carlos Julio,


autor do livro, também se auto definiu, ao confidenciar que escrever sobre essa questão foi um desafio !

Durante uma viagem internacional, ele que tem uma experiência de 30 anos como Presidente e Conselheiro de grandes empresas, sentiu-se fisicamente desconfortável, e entendeu ali, dentro daquele avião, que tinha que mudar o seu estilo de vida o quanto antes, a fim de organizar a sua rotina e reconciliar-se com seu “tempo interno” e com as exigências cotidianas.

Fazer do tempo o seu aliado é uma conquista. Ressignificar a relação com o tempo, assegurando a produtividade na vida profissional e o empoderamento da vida pessoal, tornou-se mandatório nos dias de hoje, para todos nós, homens e mulheres.

Carlos Julio deve ter se inspirado no feminino para escrever sobre o tema, pois o agradecimento à sua esposa, e o prefácio de Luiza Helena Trajano, são


um reconhecimento e uma homenagem a esse talento multitarefas, meio que incrustado no DNA das mulheres - que aliás muitos homens também possuem, mas que ainda assim nos coloca em situações de retrabalho, nos tomando tempo e consumindo nossa tão preciosa energia.

Pedi para o próprio Carlos Julio nos fazer uma breve apresentação do livro (logo a seguir), e de como todos nós podemos, de maneira saudável, realizarmos nossas tarefas, sermos produtivos e, sobretudo, sermos felizes ! Tá tudo lá no livro. Vale a leitura ! E fala aqui depois pra gente o que você achou !

*****************************************************************************************


“Esse é um tema bem pertinente aos dias de


hoje, e é uma resposta depois de tanto os meus alunos, colaboradores, sócios, amigos, me questionarem como eu faço para gerenciar meu tempo e conseguir estar em tantas atividades e negócios ao mesmo tempo?


Há aqueles que me apelidaram de ¨polvo¨ pois dizem que eu tenho um tentáculo em cada coisa.

Pensando nisso, revolvi produzir uma palestra para mostrar como isso acontece, com o sucesso da palestra, lancei o livro e agora, em tempo de pandemia o curso que você pode encontrar na Hotmart com o titulo: Como ter tempo para tudo?

Este livro é um desafio, nele abordo como lidar de maneira saudável com aflições do mundo moderno e a cobrança do tempo, mostro a você que é perfeitamente possível realizar várias atividades, ser produtivo e feliz. Como professor, palestrante, executivo, empreendedor, board member, colunista de rádio, coach de presidentes de empresas, além de avô, pai, marido e amigo, eu era vítima do tempo, um workaholic. Até que, um dia, em um voo internacional me senti sufocado, ali soube que era preciso mudar meu estilo de vida.

Por isso, compartilho no livro e na palestra, uma metodologia de time management extremamente prática, baseada em uma única pergunta: O que eu não posso deixar de fazer hoje? A partir da resposta a essa pergunta, com ferramentas tão simples quanto uma agenda e um caderno, você pode organizar a sua rotina e reconciliar o seu tempo interno com as exigências cotidianas. Você verá que com Foco, Disciplina e Organização vai sobrar dia na sua agenda.


Dica para você se colocar na sua agenda! Colocar seu esporte, seu hobby e as pessoas que você ama. Trabalhar muito não significa trabalhar bem.

Lançado pela Editora Planeta, “O que não posso deixar de fazer hoje” é a dica de leitura para esse importante momento de cuidados, isolamento social e uma melhor produtividade no home office.


O livro já pode ser encontrado nas melhores livrarias e nas livrarias virtuais.


Boa leitura.


Um abraço,


Carlos Júlio”


15 visualizações0 comentário